2008

Salim Miguel | Personalidade Literária | Prêmio Paschoal Apóstolo Pítsica

Salim Miguel, nascido no Líbano, viveu sua adolescência em Biguaçu. Participou do Grupo Sul, movimento que fez surgir importantes autores da literatura catarinense como Silveira de Souza, Aníbal Nunes Pires, Alcides Buss, Almiro Caldeira e Eglê Malheiros, com quem se casou. Jornalista profissional e escritor, Salim Miguel foi chamado por Walter Galvani – o grande escritor e jornalista gaúcho – de “mitológico”. Seu romance Nur na escuridão, de 1999, foi considerado pela crítica o livro do ano. Em 2001 foi vencedor do prêmio de melhor romance da Associação Paulista de Críticos de Arte. Em 2002, recebeu da União Brasileira de Escritores e da Folha de São Paulo, o troféu Juca Pato, destinado ao intelectual do ano. Salim Miguel é visto como um dos grandes nomes da literatura brasileira contemporânea. Doutor honoris causa da UFSC, nosso homenageado é, na atualidade, o mais prolífico escritor e o maior nome das letras catarinenses; perfila-se ao lado de Cruz e Sousa e recebe nossa homenagem aos 50 anos de carreira, pelo lançamento este ano do seu trigésimo livro: o romance Jornada com Rupert.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Doraci Girrulat – Personalidade Artística. Prêmio Victor Meirelles

Doraci Girrulat é catarinense. Graduada pela Escola Superior de Artes Plásticas; pós-graduada pela Fundação Armando Álvares Penteado e Mestre em Semiótica pela PUC/SP, foi professora, pesquisadora, coordenadora e diretora em diversas entidades, inclusive Coordenadora Cultural do Centro de Estudos Brasileiros da Embaixada do Brasil no Chile. Tem participado de inúmeras comissões e conselhos de arte, como os da UDESC, MASC, UFSC e ACAP. É artista plástica multimídica e tem uma extensa e vitoriosa carreira. Atua nos campos da arte, ambientação, eletrografia, escultura, performance, heliogravura, instalação, interferência urbana e intermídia. Já expôs nos mais importantes museus e galerias de arte do país. No exterior, expôs no Museu Histórico Natural de Santiago do Chile; no Museu de Arte Contemporânea Hispânica de Nova York e na Mediathèque Jean Cocteau, na França. Ao mesmo tempo, foi premiada em inúmeros concursos. É de autoria de Doraci o logotipo do Museu Histórico de Santa Catarina. Artista desbravadora, que introduziu a linguagem contemporânea em Santa Catarina, é mestra na investigação e no experimento no campo da materialidade. Este ano recebe homenagem especial no 10º Salão Nacional Victor Meirelles, no MASC, onde seu trabalho pode ser apreciado, juntamente com o de dez artistas plásticos, seus ex-alunos, até o dia 08 de janeiro próximo.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Darcy Brasiliano dos Santos – Personalidade Musical. Prêmio Edino Krieger

Darcy Brasiliano dos Santos estudou piano, história da música, regência, harmonia e técnica vocal e, em 1973, liderou uma comissão, que fundou a Pró-Música de Florianópolis. A nova entidade veio preencher uma lacuna até então, existente em nossa cidade: a promoção de espetáculos de música clássica. Este ano, vivemos a 35ª Temporada, sem interrupção; o mesmo tempo que Darcy está à frente da Pró-Música e esta união colocou Florianópolis no mapa cultural do País, ao lado de capitais de grande porte. Em 1998 a Pró-Música criou o Festival de Canto Aldo Baldin, com o objetivo de transformar Florianópolis em importante pólo operístico do País, o que vem acontecendo. Em 2000 apresentou “La Traviata”, cujo elenco foi escolhido por um júri internacional. Seguiram-se “Madame Butterfly”; “Carmen” de Bizet, “Cavalleria Rusticana”, “A Flauta Mágica”; Rigoletto; uma nova montagem de “La Traviata” e este ano, “Elixir do Amor”. Sob a direção de Darcy, a Pró-Música, já produziu mais de 650 espetáculos com Solistas Nacionais e Internacionais, Grandes Orquestras, Conjuntos de Câmara, Óperas, Balés e Corais, além de haver constituído uma platéia de fervorosos e autênticos apreciadores de música erudita.

←VOLTAR