2010

O escritor João Carlos Mosimann recebe a Medalha e o Diploma de Personalidade Literária do Ano (Prêmio “Paschoal Apóstolo Pítsica”) das mãos de Dª Eloá Pítsica, viúva do Patrono de nossa Academia.
Personalidade Literária de 2010: Escritor João Carlos Mosimann

JOÃO CARLOS MOSIMANN é engenheiro, professor, pesquisador e escritor. Nasceu em Brusque, estudou no Colégio Catarinense, foi professor na UFSC e tem dedicado seu tempo à pesquisa da História de Santa Catarina, sobre a qual publicou inúmeros trabalhos em jornais e revistas especializadas. Foi colaborador do jornal A Notícia e escreve para o Caderno de Cultura do Diário Catarinense desde 2003. É autor do livro Tragédia e mistério na Villa Renaux, publicado em 2.000, esgotado e reeditado em 2.006. Tem concentrado esforços na pesquisa das incursões de europeus à Ilha de Santa Catarina no século 16, o que resultou no livro Porto dos Patos – A fantástica e verdadeira história da Ilha de Santa Catarina na era dos descobrimentos, publicado em 2002, também esgotado e revisto e ampliado em 2004. Em 2003 publicou Ilha de Santa Catarina: 1777-1778, a invasão espanhola, tendo “garimpado”, pioneiramente, toda a documentação espanhola e portuguesa sobre aquele evento. Nosso homenageado já foi agraciado com menção honrosa no Prêmio Franklin Cascaes de Literatura em 2003 e no Prêmio Sílvio Coelho dos Santos este ano. Sua mais recente obra, Catarinenses – Gênese e História, levada ao público agora em 2010, recebeu o Prêmio Elisabete Anderle da Fundação Catarinense de Cultura.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Fernando Lindote recebe a Medalha e o Diploma de Personalidade Artística do Ano das mãos de Edson Busch Machado (presidente do Conselho Estadual de Cultura) e Lygia Roussenq (administradora do Museu de Arte de Santa Catarina)
Personalidade Artística de 2010: Artista Plástico Fernando Lindote

FERNANDO LINDOTE é natural de Sant’Ana do Livramento, no RS. Vive e trabalha em Florianópolis e atua em diversas áreas: pintura, escultura, performance, vídeo e instalação, variedade que se estende ainda por experiências em escala pública, trabalhos de inserção urbana, como também por um elenco considerável de trabalhos híbridos, obras que se valem da fusão de dois ou mais suportes. É o que os críticos chamam de “prolífica diversidade”. Já realizou dezenas de exposições individuais, coletivas e curadorias nos principais museus de arte e galerias do país. Em 2009, ganhou o Prêmio de Artes Plásticas “Marcantonio Vilaça” da FUNARTE. Este ano, foi o curador da Exposição “Franklin Cascaes: desenhos e esculturas”, no Museu Histórico de Santa Catarina (Palácio Cruz e Souza), de julho a agosto. Individualmente, expôs “Todas as Imagens do Mundo”, no Museu Hassis, em Florianópolis. Também este ano, está presente na Galeria Múltipla de Arte, no Brooklin, em SP e na Bienal Internacional de São Paulo como o único representante da Região Sul do Brasil entre os 160 participantes daquela Bienal, na qual apresenta a instalação “Cosmorelief”, que é complementada pelas pinturas e desenhos inéditos que, ao mesmo tempo, estão expostos na Galeria Múltipla, já citada.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Piero Giacomini recebe a Medalha e o Diploma de Personalidade Musical do Ano (Prêmio “Edino Krieger”) das mãos de Carmelo Krieger (irmão do Maestro Edino Krieger, que dá nome ao Prêmio).
Personalidade Musical de 2010: Empresário e Mecenas Piero Giacomini

PIERO GIACOMINI, empresário bioquímico italiano, desenvolveu atividades industriais em todo o mundo, mas sempre foi um apaixonado pela Música. Na Itália, criou, juntamente com sua esposa, a poetisa Franca Meo, uma fundação para administrar quatro museus, que realizam exposições e concertos de música clássica. Em 2003, aposentou-se e veio viver em Florianópolis. Em 2009 patrocinou um concerto da Camerata em homenagem à memória de sua esposa, para o qual foi composta a peça Come abbiamo potuto dimenticare il paradiso (Como poderíamos esquecer o paraíso?) musicada por Kleber Alexandre. Ao mesmo tempo, transformava parte de sua casa em uma primorosa sala de espetáculos. “Por amor à arte”, como diz. O Auditório Jurerê Classic é a primeira sala de SC projetada e construída especialmente para concertos de música de câmara. São 144 confortáveis lugares e transmissão ao vivo dos concertos pela internet. A seleção dos músicos e dos espetáculos é rigorosa. Quatro músicos são contratados fixos, formando o Quarteto “Jurerê Classic”, já considerado um dos melhores quartetos de cordas do Brasil, que hoje nos dá a honra de se apresentar aqui. Também em 2010 patrocinou, também pela Camerata, o concerto para violino, viola, piano e orquestra de Alberto Heller: Aurora Consurgens trazendo três músicos italianos para o evento. Juntamente com músicos profissionais, constituiu a Associação Musical Jurerê para temporadas de música de câmara e jazz no recém-criado Auditório Jurerê Classic.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Celestino Sachet recebe a Medalha e o Diploma (Prêmio “Academia Catarinense de Letras e Artes – Conjunto da Obra”) das mãos do Presidente da ACLA, Wesley Collyer.
Prêmio ACLA – Conjunto da Obra de 2010: Escritor Celestino Sachet

CELESTINO SACHET nasceu em Nova Veneza e estudou no Colégio Catarinense. É bacharel em Direito e em Letras Neolatinas, mestre em Literatura Brasileira, doutor e livre-docente em Letras, doutor em Filosofia da Educação no México, e pós-doutor em literatura açoriana. Foi professor universitário em vários estados do Brasil, na Argentina, no México e Portugal; Secretário de Estado e Reitor da UDESC, é membro da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de SC. Celestino Sachet é reconhecido escritor, pesquisador e crítico da Literatura Catarinense e autor de livros didáticos de Língua Portuguesa. De sua obra, salientam-se: Antologia de Autores Catarinenses, e Fundamentos da Cultura Catarinense, ambos de 1969; História da Literatura Catarinense, 1970; Língua Nacional, 5º, 6º, 7º e 8º graus, em parceria com José Curi, 1970-1973; As Transformações Estético-culturais dos anos 20 em SC, 1974; Comunicação e Expressão, 5º, 6º, 7º e 8º graus, 1975; A Literatura de Santa Catarina, 1979; A Presença da Literatura Catarinense, 1989; Santa Catarina — 100 Anos de História, com Sérgio Sachet, em 3 volumes, 1999, 2000 e 2001; Cruz e Sousa – Travessias, 2010, parceria com José Gomes Neto.

←VOLTAR