2013

Personalidade Literária de 2013: Escritor Sérgio Medeiros, representado pelo jornalista Moacir Loth, recebendo medalha e certificado das mãos da senhora Eloá Pítsica.
Personalidade Literária do Ano: Poeta e Escritor Sérgio Medeiros

SÉRGIO MEDEIROS é poeta, tradutor e ensaísta; tem estudado mitos indígenas, o que o levou a realizar pesquisa de pós-doutorado na Universidade de Stanford, na Califórnia, sobre o clássico poema ameríndio Popol Vuh. Sua obra, em parte já traduzida para o espanhol e o inglês, busca inspiração no totemismo. Entre suas traduções, destaca-se a coletânea De santos e sábios: escritos estéticos e políticos, de James Joyce, realizada em conjunto com André Cechinel, Caetano Galindo e Dirce Waltrick do Amarante. Foi finalista do prêmio Jabuti em 2008 e 2010 e semifinalista do Prêmio Portugal Telecom em 2010 e 2012. Foi diretor-executivo da Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, onde leciona Literatura. Este ano, Sérgio Medeiros lançou, ao mesmo tempo, duas obras: ‘O desencontro dos canibais’ e ‘O choro da aranha’, e mereceu destacada crítica no jornal ‘O Estado de São Paulo’ no dia 04 de novembro, confirmando, assim, seu papel de relevo nas letras contemporâneas. Dele, disse Douglas Diegues: ‘continua a inventar em nossos dias a poesia brasileira do futuro’.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

A Soprano Alicia Cupani recebe de Celestino Sachet o prêmio Personalidade Musical do Ano 2013.
Personalidade Musical do Ano: Soprano Alicia Cupani

ALICIA CUPANI Iniciou seus estudos com Rute Gebler, aperfeiçoou-se em Curitiba e em Buenos Aires. Integrou o Coro Sinfônico de Paris, em 1994-95. É mestre em musicologia pela Universidade Estadual de São Paulo, professora titular de canto da e preparadora vocal do coral. Coordena o programa de extensão VivaVoz,  um canal de formação musical e de plateia. Este ano, em abril, Alicia apresentou-se em Chapecó, com ‘A Flauta Mágica’ pela Cia de Ópera de SC, com o Polyphonia Khoros e a Camerata Florianópolis. Em junho encenou por seis vezes no Palácio Cruz e Sousa, a ópera ‘La Traviata’, em um trabalho que envolveu solistas, coro, orquestra, teatro, artes plásticas e moda, realçando o papel da Udesc, como principal centro formador de músicos. Em novembro apresentou-se, pelo Projeto ‘Imagens de Ópera’, na Semana de Cultura da UFSC e participou de concertos sacros na Catedral, com o Coral Jovem, a Camerata Florianópolis e o Coral Santa Cecília, pelo bicentenário de Verdi e Wagner.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

A artista visual Clara Fernandes recebe das mãos de Mary Garcia o prêmio Personalidade das Artes Visuais do Ano.
Personalidade das Artes Visuais: Clara Fernandes

CLARA FERNANDES é artista visual, que trafega pelos campos da escultura, fotografia, vídeo-arte e instalação; formada em Artes pela USP, vive e trabalha em Florianópolis há 30 anos. Destacamos, entre suas mostras coletivas, ‘15 Artistas Brasileiros’, no MAM SP; ‘Arte Contemporânea da Gravura’, no Museu Metropolitano de Curitiba; ‘Perspectiva das Artes Plásticas Catarinenses’, no Memorial da América Latina. Entre as individuais, destacamos: Iluminuras, Abissais e Vazante. Também realiza intervenções espaciais e urbanas desde 1989, destacando-se: Terral (com itinerância internacional); e Lume, em Florianópolis, Joinville e São Paulo. Este ano, Clara se destacou pela exposição ‘Cartas ao Mar’, no Museu de Arte de Santa Catarina, em que apresenta esculturas criadas especialmente com cobre, fios, metais, sementes, e a mostra do vídeo-arte ‘Amorphobia’. Para o curador Charles Narlok, em Clara a ‘Artista, mulher e personagem se fundem em simbiose, como as tramas que nascem do tear ou como os liquens que brotam de seu ateliê-reserva-lar; um patrimônio artístico-ambiental ditado por uma antropologia pessoal’.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Vanderléia Will recebe das mãos de João Vieira Filho o prêmio “Waldir Brazil”, como Personalidade das Artes Cênicas do Ano.
Personalidade das Artes Cênicas de 2013: Vanderléia Will

VANDERLÉIA WILL é atriz de destaque em nosso estado. Desde 1990 está engajada em divulgar e preservar a cultura local, de origem açoriana. É a criadora da personagem Dona Bilica, uma típica benzedeira e rendeira da Praia da Barra da Lagoa. Já foi premiada pela peça ‘De Malas Prontas’, que se apresentou na Espanha, Áustria, Portugal, EUA, México e outros. Este ano Vanderléia presenteou nosso estado com um espaço cênico no Morro das Pedras – o Circo da Dona Bilica – empreendimento da companhia Pé de Vento Teatro, que tem como anfitriões Dona Bilica e seu marido, o palhaço Pepe Nuñez, um dos mais competentes formadores de palhaços no Brasil. O circo tem mais de 1.400m2 e inclui teatro de 225 lugares, com caixa preta, iluminação cênica e sonorização. Sua fachada mistura a cultura açoriana com a lona dos circos. Os espetáculos têm dramaturgia voltada para toda a família. A estrutura está aberta para as mais diversas manifestações artísticas e culturais, para intercâmbio entre artistas e para preparação de novos talentos.

░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░ ░

Zeula Soares recebe do presidente da ACLA Wesley Collyer e do escritor José Isac Pilati o prêmio “Academia Catarinense de Letras e Artes”, pelo Conjunto da Obra.
Prêmio ACLA – Conjunto da Obra de 2013: Artista Cênica Zeula Soares

ZEULA SOARES é natural de Florianópolis, formada em Filosofia e Serviço Social pela UFSC, é atriz e autora teatral. Cofundadora do Grupo Armação, em 1972, atuou também no extinto Teatro Universitário de Santa Catarina e nos grupos de teatro do Sesc e do Sesi. Das 56 montagens do Grupo Armação, Zeula atuou em 20 delas, das quais destacamos: ‘Um Grito Parado no Ar’, ‘Eles Não Usam Black-Tie’, ‘Gota d’Água’, e ‘O Inspetor Geral’. Como diretora, assinou trabalhos para o Grupo Armação, do qual já foi presidente, e para o Grupo de Poetas Livres. Entre eles: ‘Natal de Portas Abertas’, ‘A Utilidade da Utopia’ e ‘Balada dos Já-com-Terra’, de Júlio de Queiroz. Zeula Soares foi a primeira das atrizes do Grupo Armação e passou a ser carinhosamente chamada de ‘A Dama do Armação’. Recebeu o Troféu Bastidores nos anos 1978, 79, 81, 82, 85 e 90; em 2009, recebeu o Prêmio de Teatro Isnard Azevedo, da Fundação Franklin Cascaes.

←VOLTAR