Rute Gebler

Rute Ferreira Gebler | Cadeira nº 36 | Patrono: Ione Urbano Sant’Anna

Natural de Pelotas – RS, formou-se pela Escola de Canto Inah Emil Martensen, na cidade de Rio Grande e pelo Conservatório de Música de Pelotas – UFPEL. Ganhou o 1º lugar no Concurso de Canto do Sesquicentenário de Pelotas, e em 1965, foi semifinalista do Concurso Internacional de Canto do Rio de Janeiro.Em 1969, radicou-se em Florianópolis, onde por 10 anos foi regente da Associação Coral de Florianópolis e professora de Técnica e Expressão Vocal do Curso de Educação Artística e Escola de Música do CEART-UDESC,  professora de Música do Colégio Coração de Jesus por 17 anos. Como cantora, percorreu o Estado de Santa Catarina, grande parte do Brasil e também Uruguai, Argentina, Alemanha e Nova Iorque. Cantou sob a regência de grandes maestros. Em 1973, integrou o grupo de artistas que fundou a Pró-Música de Florianópolis, em conjunto com empresários locais. Concebeu e foi solista dos “Vozes da Primavera”, série de espetáculos anuais que estabeleceu um novo tempo às produções artísticas da capital catarinense, a partir de 1995. A série culminou com representações que agregaram movimentação cênica e dança à interpretação vocal de peças consagradas como o Réquiem de Mozart, Carmina Burana de Carl Orff, e Nona Sinfonia de Beethoven, que encerrou o ciclo em 2005.É membro da Academia Catarinense de Letras e Artes, ACLA. Recebeu inúmeras homenagens em Santa Catarina, como Cidadã Honorária de Florianópolis, Cidadã Catarinense, Prêmio Mulheres Com Arte da Fundação Franklin Cascaes de Florianópolis, Prêmio Destaque do Festival Aldo Baldin (2007), Medalha de Mérito Cruz e Sousa, Medalha Antonieta de Barros, dentre outras. Em 2004, foi Tema-Enredo da Escola de Samba Protegidos da Princesa e em 2005 participou do documentário “Um Rei chamado Henrique”, no papel da cantora lírica Graziella Berzanzoni, produzido pela SET Cinema e Televisão e RBS TV Florianópolis.É coordenadora artística do Estúdio Vozes, entidade que criou a partir de um grupo de amigos reunidos para o desenvolvimento da voz cantada, desde 1991, além do Vozes da Primavera, que apresentou de 1995 até 2005, e em 2016, encerrou este projeto. Desenvolveu outros em diferentes gêneros musicais e que resultaram nos espetáculos: Vozes Líricas; Musicais do Cinema; Música Brasileira e Internacional; Música Açoriana; Operetas em Noite de Gala; Vozes, Sons e Ritmos. Coordena um projeto específico de trabalho voluntário denominado “Vozes da Harmonia”, apresentado em hospitais, asilos e em instituições que desenvolvem trabalhos voluntários. Recitalista, participa de vários grupos de música de câmara, destacadamente da série de recitais intitulados Piano Voci, com a pianista Bernardete Castelan Póvoas e cantores convidados.No início de 2015 recebeu da Sociedade Brasileira de Artes, Cultura e Ensino, em São Paulo, o grau de Comendadora e a Medalha da Ordem do Mérito Cultural Carlos Gomes. No Dia da Mulher deste ano de 2017 recebeu da Prefeitura de Florianópolis o troféu Maricota, como Mulher Destaque em Cultura.

←VOLTAR