HARRY LAUS

HARRY LAUS | Patrono da Cadeira nº 16 | Acadêmica: Néri Pedroso – Seguiu a carreira militar, aposetando-se em 1964. Foi renomado crítico de Artes, conhecido no Brasil inteiro por sua intensa atividade jornalística que se estendeu por trinta anos. E também foi escritor, atividade que, somada à de leitor, constituiu a verdadeira paixão de sua vida. Publicou muitas novelas e contos na França, inclusive Les Jardins du Colonel, traduzido no Brasil como Os Papéis do Coronel. Para a tradutora francesa, Harry Laus atinge a emoção sem desperdícios, através de intenso trabalho. Era um escritor muito meticuloso, consciente e refletido. Escrever era um trabalho ao qual ele se atirava com sua habitual seriedade e um frenético desejo de atingir “o resultado, o sumo, a essência”, nas palavras do Coronel desse romance. Aliás, único romance de Harry Laus. Em Os Papéis do Coronel, o texto coloca seriamente a questão do escrever, deixando-nos o testemunho do processo literário de Harry Laus, suas angústias, questionamentos e seu caminho interior. Harry Laus nasceu em 1922, em Tijucas, e morreu em Florianópolis em 1992. Obras Publicadas: Os Incoerentes, Ao Juiz dos Ausentes, Monólogo de uma Cachorra sem preconceitos, As Horas de Zenão das Chagas, Sentinela do Nada e outros.