ISNARD AZEVEDO

ISNARD AZEVEDO | Patrono da Cadeira nº 31 | Acadêmica: Carmen Fossari | Diretor, arquiteto, produtor cultural, iluminador, cenógrafo, autor e ator. Formado em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, radicou-se em Florianópolis no final da década de 70 e atuou como professor no curso de arquitetura na Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Em 1990, frequentou o cursou pós-graduação em teatro na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – USP, como aluno especial, desenvolvendo projeto sob orientação do professor Clovis Garcia. Visionário, inquieto e inovador, participou ativamente do movimento cultural em prol da criação da Fundação Franklin Cascaes, órgão municipal de cultura da cidade de Florianópolis SC, tendo sido seu primeiro superintendente em 1987. Em 1981, juntamente com Ademir Rosa e outros artistas fundou o Grupo de Teatro O Dromedário Loquaz, no qual atuou como líder e diretor durante 10 anos. O espetáculo escolhido para a estreia das atividades do Grupo foi A Importância de Estar de Acordo, de Bertolt Brecht (1898-1956), primeira montagem do autor em Santa Catarina. Mantendo compromisso com a qualidade e acabamento técnico e artístico dos seus espetáculos, montando textos contemporâneos, ocupando cenicamente e com longas temporadas prédios históricos de Florianópolis, surpreendeu e conquistou público cativo para suas criações cênicas. A frente do Grupo de Teatro O Dromedário Loquaz se responsabilizava pelas mais variadas funções técnicas e artísticas, atuando como diretor, cenógrafo, iluminador, figurinista e sonoplasta. Em sua produção teatral se destacam as montagens de Doce Vampiro, de Carlos Carvalho em 1984; Curto Circuito, de Timochenko Wehbi em 1985 e Suor Sagrado, de sua autoria em 1990. O Teatro feito em Santa Catarina nos anos 80 reflete a presença de Isnard Azevedo, cujas montagens revelavam-se em sintonia com a situação política e social de seu tempo, assumindo compromisso com o espaço cultural onde estava inserido, provocando e informando o público local através de trabalho permanente, contínuo e renovado conceitualmente. Segundo o critico Mario Alves Neto Isnard Azevedo destacava-se no cenário teatral catarinense por “realizar um teatro de concepções modernas, valorizar a versatilidade dos atores e voltar-se para as aflições do ser humano. A condição humana jamais de afastou da visão de Isnard Azevedo, diretor de cena e líder do grupo. Em Curto Circuito Isnard concebeu uma ambientação impregnada de sentimentos sofridos, fazendo ocupar todos os espaços cênicos existentes, de uma forma arrojada, inventiva e inteligentemente adequada à compreensão da plateia. Isnard Azevedo falece em 19 de fevereiro de 1991 e em 1993 seu nome é homenageado pela Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes, através da criação do Festival Nacional de Teatro Isnard Azevedo, atualmente denominado Floripa Teatro – Festival Isnard Azevedo, que reúne anualmente grupos e profissionais da área teatro de diversas regiões do Brasil e figura como um dos importantes eventos da área teatral do Brasil.